Oficial de justiça é assassinado na BR-393, em Barra do Piraí, RJ
Vítima é Francisco Pereira Ladislau Neto, de 25 anos.
Ele estava a trabalho e levou dois tiros no peito, diz polícia.

Um oficial de justiça foi assassinado com dois tiros no peito, na tarde desta terça-feira (11), na BR-393 (Rodovia Lúcio Meira), em Barra do Piraí, no Sul do Rio de Janeiro. De acordo com a Polícia Civil, o corpo de Francisco Pereira Ladislau Neto, de 25 anos, foi encontrado às margens da estrada, na altura do bairro Belvedere da Taquara.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal, o crime aconteceu depois que ele levou uma intimação a um morador do bairro Santo Antônio. A perícia informou à equipe de reportagem do RJTV que a vítima, natural do Espírito Santo, também teria sido atropelada enquanto tentava fugir pela rodovia. O corpo foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) da cidade.

A polícia disse ainda que o suspeito fugiu com o carro e o abandonou no bairro Matadouro, a 3 km do crime. O veículo foi levado, danificado e com marcas de disparos, para a 88ª Delegacia de Polícia (Barra do Piraí), onde a ocorrência foi registrada.

Até a última atualização desta reportagem, os agentes não tinham informações sobre o autor, nem a motivação do homicídio.

Fonte: Infojus

Postar um comentário Blogger

  1. Será que isso vai ser considerado como atentado ao poder Judiciário???? Esperamos que seja tratado com o mesmo rigor que foi trato o caso da MM. Juíza, Dra. Patricia Acioli. O OFICIAL DE JUSTIÇA é a longa manus do Juiz e, portanto, tal fato deve ser tratado com atentado ao Estado Juiz. Atentado ao Poder Judiciário. Precisar se apurador com todo rigor. Isso é lamentável. Meus sinceros pêsames à família do Servidor do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

    ResponderExcluir
  2. E AÍ VEM O MINISTRO DO STF DIZER QUE A PROFISSÃO NÃO É DE RISCO.
    SEGUNDO ELE É "RISCO EVENTUAL".

    ResponderExcluir
  3. Peço licença para transcrever excelente cometário do colega João Dias Vieira Filho: Casos de violência à categoria se sucedem a casos, em uma escalada assustadora. Enquanto isso, no conforto de suntuosos gabinetes, ao abrigo seguro de toda gente, autoridades, pseudo sábios do direito e da vida, negam, sistematicamente, todas as justas reivindicações da classe, no que tange à condições que possibilitem, ainda que minimamente, o desempenho da função com segurança e dignidade. Recentemente o Ministro Barroso, do STF, proferiu voto de divergência (no que foi prontamente seguido pelo Min. Gilmar Mendes) em mandado de injunção pela aposentadoria especial, sustentando, com seu notável saber jurídico e falácia verborrágica, que a função de Oficial de Justiça tem risco eventual. Tal afirmação, parece querer confundir alhos com bugalhos. As agressões podem ser eventuais, mas o risco delas é evidentemente constante, e só não vê isso quem não quer ver. Afinal, indago respeitosamente ao Ministro se poderia afinal dizer quando seria o Oficial de Justiça agredido, assassinado, na execução de seu dever? Não é o constante risco de eventual agressão que blinda os senhores ministros e magistrados com reforçada segurança? Pode, uma vida valer menos que outra?. Acordemos senhores. Dia chegará em que o sangue indefeso que estampa manchetes, há de cobrar a responsabilidade pela omissão e contumácia dos que poderiam mudar o estado de coisas, mas simplesmente não o fazem.

    ResponderExcluir

 
Top