Oficiais de justiça de 12 Estados da Federação estão participando do I Encontro Nacional dos Oficiais de Justiça – Enojus, acontecendo em João Pessoa-PB. A abertura do evento ocorreu na noite de quinta-feira, 05/09, e vai encerrar-se sábado, 07/09. A presidente do TJPB, desembargadora Maria de Fátima Bezerra Cavalcanti, presidiu a mesa, que contou com a participação do presidente do Sindojus-CE, Mauro Xavier.

Na abertura do evento, o corregedor-geral do TJPB, desembargador Márcio Murilo da Cunha Ramos proferiu a palestra “Perspectiva e Visão Critica do Poder Judiciário”, no qual traçou um perfil dos principais gargalos que Judiciário enfrenta na atualidade e as possibilidades reais de avanço na prestação jurisdicional. “Eu trouxe para a classe dos oficiais de justiça os problemas reais do Judiciário. Problemas esses de ordem financeira e de planejamento. Por outro lado, também trago uma visão futura deste Poder, que passa obrigatoriamente pela celeridade com eficiência. Para isso, é preciso instrumentos práticos e orçamentários que viabilizem um Judiciário melhor”, resumiu o corregedor.

A primeira edição do Encontro Nacional de Oficiais de Justiça, promovido com ousadia pelo Sindojus, superou as expectativas de participação e representatividade. A abertura do evento coube ao presidente e anfitrião Antônio Carlos, que tomado por fortes dores lombares, não chegou a concluir a saudação, o que emocionou e os fez ser aplaudido de pé. Ao discursar, a presidente do Tribunal de Justiça da Paraíba, desembargadora Fátima Bezerra, elogiou esse exemplo de superação pessoal e a busca incessante e legítima, na defesa dos interesses da categoria.

Ela também destacou os temas escolhidos para os debates, atuais e antenados com o despertar de uma postura crítica frente as novas tendências do Direito, da realidade social e da carreira do oficial de Justiça. “As conferências serão fontes transformadoras de avaliação do papel dos meirinhos e da solução dos problemas da classe”, afirmou, lembrando a preocupação com as melhorias das condições de trabalho dos servidores. E finalizou citando outros benefícios, como  o PCCR, a aquisição de GPS, curso de capacitação e os estudos para uma nova unidade no orçamento do TJ as despesas com diligências dos oficiais.
 
Top